quinta-feira, 16 de março de 2017

MP Comunitário discute ação de proximidade entre Polícia e comunidade no Vergel


Provocar mudanças de vida na comunidade do Vergel do Lago e instalar ações que fomentem a cultura de paz na região. Esses foram os principais motivos da reunião realizada nesta quarta-feira (15) pelos participantes do projeto Ministério Público Comunitário com a Polícia Militar de Alagoas (PM/AL) e a Superintendência da criança e do Adolescente da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (SEPREV).
A ideia é implantar no bairro o “Programa de Ações Integradas de Proximidade”, o PAIP, criado recentemente pelo Governo do Estado. Durante o encontro, mediadores de conflito, que já trabalham na comunidade através do MP Comunitário, expuseram as principais dificuldades e carência dos moradores e descreveram de que maneira essa nova ferramenta pode ser trabalhada na região.
“Foi um momento de aproximação, um primeiro passo para construção de um caminho que trilharemos juntos. Toda ajuda é bem vida quando chega com o objetivo de mudar a realidade da comunidade para melhor. Foi uma mostra do que pode ser feito. Nós ouvimos os realizadores do projeto, e eles ouviram as pessoas que são do bairro e vivem a realidade da comunidade. Teremos outros encontros, já sabendo o que precisa ser feito e que estratégias devem ser construídas. Começamos um caminhar”, disse o promotor de Justiça, Cláudio Malta, coordenador do MP Comunitário.
Segundo o coordenador-geral da Comissão de Implantação do PAIP, coronel Maxwell Santos, a reunião faz parte de uma etapa preparatória para implantação do programa, que chega ao Vergel do Lago como forma de projeto-piloto. Ele ainda disse que a ferramenta tem como prioridade reduzir os indicadores de criminalidade a partir de ações de prevenção à violência de forma qualificada.
Para uma das mediadoras de conflitos do projeto, Valderice da Silva Nascimento, a ação chega em boa hora e poderá ajudar o bairro a reconstruir sua história. “O Vergel do Lago precisa ser abraçado. A realidade que temos hoje precisa ser mudada. Aprendi que, servindo a comunidade, estamos nos melhorando. Iniciativas como a do Ministério Público e esta que foi apresentada hoje serão sempre acolhidas. Sei que a comunidade fará de tudo para melhorar nossa rotina e reconstruir nossa história”, afirmou.
ESCRITO POR JOÃO DIONÍSIO DE FREITAS SOARES FILHO | 16 MARÇO 2017
POSTADO EM NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Nenhum comentário:

Postar um comentário